Eu, Preso - Volume 1
(Mira Filmes SP)
2018 | Brasil | 8 episódios
Nacional HD
Documentários
O Brasil tem hoje mais de 700 mil pessoas atrás das grades, que, somadas, são mais que a população inteira de Aracaju (SE). Desde o ano 2000, esse número aumentou 167% e ele não para de crescer. Para dar uma visão do sistema carcerário e do recorte racial e de classe levado a cabo pelas prisões, vamos embarcar nos dramas humanos: quem são, de onde vieram e como foram parar na cadeia? Como é a vida no cárcere e o que esperam do futuro, fora dali? Como é a vida depois dessa experiência na prisão? À partir de histórias pessoais, uma visão global de um dos sistemas mais perversos do mundo.
Estrelando:
Não Disponível
Direção:
Paula Sacchetta
Conteúdo gratuito
Assista agora
.
Conteúdo gratuito
Ep. 01 - Mãezinhas (24 min)
O que acontece com uma família quando uma mãe vai presa? Como é o dia a dia na ala materno-infantil de uma penitenciária? No primeiro episódio, um retrato dos mulheres atrás das grades.
Conteúdo gratuito
Ep. 02 - Presos Provisórios (25 min)
Mais de um terço dos presos do país são provisórios, ou seja, foram presos antes do julgamento. O que isso significa? Por que prendemos primeiro e julgamos depois?
Conteúdo gratuito
Ep. 03 - LGBTs no Cárcere (25 min)
Pessoas LGBTs em situação de prisão representam o segmento de maior vulnerabilidade dentro do sistema prisional. Como é a vida numa ala LGBT de um presídio paulista?
Conteúdo gratuito
Ep. 04 - De Menor (25 min)
Privar de liberdade jovens e adolescentes sempre foi um assunto polêmico. As chamadas medidas "socioeducativas" podem ser diversas, como o trabalho comunitário, por exemplo, mas neste episódio vamos mostrar a história de jovens presos ou egressos da Fundação Casa. Na teoria, não podemos chamá-los de presos, já que estão em pena restritiva de liberdade de medida socioeducativa, mas, na prática, estão presos e os locais que os abrigam ou abrigaram são quase tão ruins e superlotados quanto as prisões de adultos. O cenário é o mesmo: superlotação e alto índice de reincidência.
Conteúdo gratuito
Ep. 05 - Trabalho (25 min)
Quando o regime semiaberto de cumprimento de penas teve início no Brasil, nos anos 1980, a ideia era que a ressocialização dos presos se desse por meio do trabalho em colônias agrícolas ou industriais. Mas o baixo investimento nesses estabelecimentos somado ao perfil dos presos, que não eram agricultores, fez com que a ideia pouco se concretizasse. Hoje, estar em regime semiaberto significa estar preso, dormir na prisão e sair todo dia de manhã para trabalhar.
Conteúdo gratuito
Ep. 06 - Mulheres Mulas (24 min)
A população carcerária feminina não é formada apenas por brasileiras. Em 2001, as estrangeiras eram apenas 40 e hoje já são cerca de 400 só em São Paulo, vindas de mais de 60 países. 53% das mulheres estrangeiras no sistema prisional vieram da América, 27% da África, 13% da Europa e 7% da Ásia. 95% delas vieram parar no Brasil como mulas do tráfico internacional. Neste episódio, vamos mostrar quem são essas mulheres, de onde vieram e o que as fez viajar para um país até então desconhecido - algumas com quilos de cocaína ou outras drogas.
Conteúdo gratuito
Ep. 07 - Penas Alternativas (25 min)
É possível estimar que 150 mil pessoas no Brasil cumprem pena em regime fechado por crimes que podem ser punidos com penas alternativas. Isso equivale a 24,6% da população carcerária no país. Apesar de poder representar a solução para a superlotação do sistema, o judiciário brasileiro ainda é muito conservador em adotar essa medida. Mesmo que a taxa de reincidência entre réus com direito a medidas alternativas seja quase a metade do percentual dos que cumprem pena privativa de liberdade.
Conteúdo gratuito
Ep. 08 - Eu, Um Ex-preso (25 min)
O que significa ser um ex-presidiário? Quanto vale o currículo de uma pessoa egressa do sistema prisional? No último episódio da série, vamos mergulhar na vida de três pessoas depois da prisão. Já cumpriram suas penas, mas continuam pagando um alto preço mesmo depois de soltas. Vamos mostrar o que significa a pena restritiva de liberdade. Com eles, vamos entender porque mais da metade das pessoas que cumpriram pena e foram soltas voltam a cometer crimes.
Você também pode gostar